Title

Millennials Lab: a voz dos jovens sobre as discussões da SB Rio 2015

Uma das principais novidades desta edição da SB Rio é a oportunidade de ouvir e permitir a participação ativa de jovens de 18 a 24 anos – que nasceram na virada do milênio e participam, como consumidores, clientes e futuramente profissionais ou pesquisadores, da transformação dos modelos de negócios das empresas. Por meio do Millennials Lab, 30 jovens acompanharam as discussões da conferência, estudaram em profundidade os assuntos e apresentaram suas percepções na plenária de encerramento, cujo tema é “Como conectar com as necessidades da sociedade”.

A iniciativa, executada dentro da programação do evento, é resultado de parceria entre a Report Sustentabilidade, a The Mob e a Coca-Cola. No texto lido pelo grupo de jovens na plenária, foram estabelecidas propostas práticas para aproximar o dia a dia das empresas das novas gerações – como a consulta contínua durante as decisões de negócios e o estabelecimento de um “Millennials' Day” – e uma análise crítica da forma com que discurso e prática se relacionam no ambiente corporativo.

"Aqui, nós conseguimos acreditar em vocês como pessoas. Mas ainda não conseguimos acreditar nas empresas que vocês estão representando. Somos uma geração que só acredita vendo. Histórias bonitas não nos convencem, porque sabemos que a realidade não é assim. Nós SOMOS a realidade." - Trecho do Manifesto Millennials

  

+ Acesse o grupo no Facebook

+ Baixe o Manifesto Millennials ou leia abaixo

Manifesto Millennials

"Enquanto vocês estavam aqui, nós também estávamos.

O Millennials Lab, que aconteceu durante os últimos dois dias, foi uma experiência que colocou jovens de 18 a 24 anos em um ambiente totalmente dinâmico e interativo. Nós estivemos em workshops, ouvimos palestras, recebemos pessoas e trocamos muitas ideias.

Aprendemos muito aqui e aprendemos muito com vocês.

Descobrimos que por trás das empresas que vocês representam existem pessoas. Pessoas conscientes de suas responsabilidades e papéis, e também motivadas em mudar o rumo da história e construir um mundo melhor, mais justo e saudável, para vocês, para nós e para as gerações que estão por vir.

Aos nos conectarmos com as empresas, aqui representadas por vocês, nos sentimos mais próximos. E a partir desta interação, compreendemos os propósitos que cada organização pretende assumir na sociedade em que vivemos.

E o principal resultado desta conexão é podermos sentir que vocês estão sensibilizados e buscando se mobilizar na construção de empresas melhores e com uma visão mais clara e justa de SUSTENTABILIDADE.

Aqui, nós conseguimos acreditar em vocês como pessoas. Mas ainda não conseguimos acreditar nas empresas que vocês estão representando.

Somos uma geração que só acredita vendo. Histórias bonitas não nos convencem, porque sabemos que a realidade não é assim. Nós SOMOS a realidade.

A grande pergunta que fica quando pensamos em sustentabilidade é: por que continuamos construindo um mundo que não queremos e no qual não acreditamos? A intenção é muito bonita, mas, não é suficiente.

Vocês vieram aqui para mostrar suas ideias sobre sustentabilidade. Esse espaço poderia ter sido mais do que um grande momento de exposição de discursos lindos, mas também um espaço de trocas ricas e aprendizados muito maiores. Onde estão os erros? Onde está o que não deu certo? Como podemos crescer juntos num evento como esse?

Queremos menos marketing, mais verdade e transparência.

Na verdade, não importa muito quem é o líder, e sim, ações de liderança.

Nós percebemos que vocês reconheceram a importância de novos - e melhores - valores para o futuro das organizações que representam. Mas também percebemos que na maioria das vezes eles ficam somente expostos no papel e é extremamente difícil colocá-los em prática. Uma frase que ouvimos aqui no evento foi: é preciso fazer sentir além de fazer sentido.

Atualmente, são vocês os responsáveis em tomar decisões e gerar mudanças dentro dessas organizações. Mais que isso, são vocês os responsáveis pelas consequências dessas decisões na sociedade.

E nós, como jovens, estamos sofrendo os impactos e os danos de todas as decisões já feitas. Isso desperta nosso engajamento, nossa vontade de pensar em soluções e contribuir para que sejam executadas. Esses danos já estão acontecendo… não vão acontecer em cinco ou dez anos.

Entendemos o problema, e queremos ser PARTE da solução.

Estes valores que vocês estão buscando construir, nós já nascemos com eles. Fazem parte de nós. Então por que não conectar os pontos?

Quando nos conectamos com vocês como seres humanos, ficamos iguais. Aqui, na Sustainable Brands, nos sentimos ouvidos e essa troca entre iguais aconteceu. Nossa opinião e nossas ideias foram valorizadas.

No entanto, no dia a dia das nossas vidas, não nos sentimos conectados verdadeiramente com as organizações onde vocês trabalham. E acreditamos que vocês não se sentem conectados com a juventude, pelo menos não como vocês gostariam, e principalmente, necessitam. Foi isso que sentimos aqui.

Por que será que esse canal tão simples não existe?

Pensando em como podemos nos aproximar, tivemos algumas ideias durante este encontro de dois dias. Ideias embrionárias mas que servem como primeiro passo para esta grande mudança que estamos todos buscando.

Então, queremos contar para vocês uma delas:

Propomos a criação de uma política de participação dos Millennials nas empresas.

Ok, mas como seria isso?

Pensamos no “Tratado Millennials”: uma espécie de pacto, um compromisso, que as empresas assumiriam de dialogar com o jovem. Quase um selo, baseado nessa responsabilidade, de que a empresa dá espaço para a participação dos Millennials aceitando suas ideias, opiniões, propostas. Quer dizer que essa empresa valoriza o jovem como parte da construção de soluções para o futuro.

Dentro da “política de participação”, outra ideia que tivemos foi a instituição do “Millennials Day”.

Ouvimos aqui sobre a “Segunda-feira sem Carne”. Pensamos em algo como a “quinta-feira com Millennials” que, sem dúvidas, será o dia mais feliz da jornada de trabalho das organizações.

Ainda dentro da política, um terceiro formato seria empoderar os jovens que já estão atuando na organização. Os estagiários e trainees seriam uma ponte dentro da empresa com os jovens que estão fora da empresa.

Essas foram algumas ideias que tivemos para nós, como geração Millennials, nos aproximarmos e conectarmos de vocês e diminuir a barreira invisível que parece existir hoje. Gostaríamos de reforçar que são ideias embrionárias, desenvolvidas a partir do feedback que vocês nos forneceram, e que estamos dispostos a colaborar na construção de novas formas e práticas de gerar e desenvolver negócios dentro da lógica de um mundo mais sustentável, um mundo que queremos.

Como falamos no início, aprendemos muito aqui com vocês e esperamos que nossas contribuições tenham repercussão fora daqui.

Para facilitar este início de conexão, criamos um grupo no Facebook chamado "Millennials Lab - SB 2015", para que seja usado, inicialmente, como plataforma de interação e diálogo entre nós jovens e vocês enquanto pessoas responsáveis por uma organização.

Agradecemos a oportunidade de estar aqui compartilhando esses pensamentos e ideias.

Que isso seja apenas um começo."

 

 

Comentários